Oiça lá ó senhor vinho
Vai responder-me, mas com franqueza:
Porque é que tira toda a firmeza
A quem encontra no seu caminho?

Lá por beber um copinho a mais
Até pessoas pacatas
Amigo vinho, em desalinho
Vossa mercê faz andar de gatas!

É mau procedimento
E há intenção naquilo que faz
Entra-se em desequilíbrio
Não há equilíbrio que seja capaz

As leis da física falham
E a vertical de qualquer lugar
Oscila sem se deter
E deixa de ser perpendicular

"Eu já fui", responde o vinho
"A folha solta a brincar ao vento
Fui raio de sol no firmamento
Que trouxe à uva, doce carinho

Ainda guardo o calor do sol
E assim eu até dou vida
Aumento o valor seja de quem for
Na boa conta, peso e medida

E só faço mal a quem
Me julga ninguém
E faz pouco de mim
Quem me trata como água
É ofensa, pago-a!
Eu cá sou assim."

Vossa mercê tem razão
E é ingratidão
Falar mal do vinho
E a provar o que digo
Vamos, meu amigo
A mais um copinho!

"Eu já fui", responde o vinho
"A folha solta a bailar ao vento
Fui raio de sol no firmamento
Que trouxe à uva, doce carinho

Ainda guardo o calor do sol
E assim eu até dou vida
Aumento o valor seja de quem for
Na boa conta, peso e medida

E só faço mal a quem
Me julga ninguém
E faz pouco de mim.
Quem me trata como água
É ofensa, pago-a!
Eu cá sou assim."

Vossa mercê tem razão
E é ingratidão
Falar mal do vinho
E a provar o que digo
Vamos, meu amigo
A mais um copinho!

Falsche Video?