Já tudo dorme, vem a noite em meio.
A turva lua surgindo além.
Tudo é silêncio; só se vê nas campas piar o mocho no cruel desdém.

Depois, um vulto de roupagem preta,
No cemitério com vagar entrou.
Junto ao sepulcro, se curvando a medo,
Com triste frases nesta voz falou:
- Monstro tirano, pra que vens agora
Lembrar-me as mágoas que por ti passei?
Lá nesse mundo em que vivi chorando,
Desde o instante em que te vi e amei.
Chegou a hora de tomar vingança,
Mas tu, ingrato, não terás perdão...
Deus não perdoa as tuas culpas todas,
Castigo justo tu terás, então.

Mas este vulto de roupagem preta,
Tombou, de chofre, sobre a terra fria.
E quando a aurora despontou, na lousa
Um corpo inerte a dormitar se via:

- Perdão, Emília, se roubei-te a vida,
Se fui impuro, fui cruel, ousado...
Perdão, Emília, se manchei teus lábios.
Perdão, Emília, para um desgraçado.

Falsche Video?